revistafilantropia 460px

 

 
 
Sexta, 04 Julho 2014 18:13

A naturalização da obsolescência

Escrito por  Fabián Echegaray
Avalie este item
(1 Votar)

Você se lembra de quantos celulares já teve? Por que motivos trocou sua última geladeira? Por quanto tempo espera usar seu novo computador? E por quanto tempo usou o anterior? Quando se fala em produtos eletroeletrônicos, as questões relativas ao tempo de vida útil dificilmente são associadas à questão da sustentabilidade. Não é só falha dos consumidores. A própria regulação estatal (demarcada pela Lei Nacional de Resíduos Sólidos) omite o problema da obsolescência dos produtos. Na mídia de negócios de abrangência nacional, e até especializada, o tema é virtualmente ignorado1. Nenhuma empresa do setor reconhece sua responsabilidade diante do acelerado encurtamento da funcionalidade dos aparelhos ou do estímulo publicitário aos consumidores para concretizarem uma troca antecipada. Se, por um lado, as consequências adversas da obsolescência programada na forma de lixões lotados de aparelhos descartados e ansiedade generalizada entre os compradores costumam receber a atenção do governo e da grande mídia, por outro, esses efeitos são raramente conectados com as políticas corporativas de vida útil reduzida para os bens eletroeletrônicos. Como entender essa omissão?
Pesquisa do instituto Market Analysis, em parceria com o Instituto de Defesa do Consumidor, revela que ao mesmo tempo em que existe um disseminado senso comum entre os brasileiros de que os produtos eletroeletrônicos apresentam um tempo de vida útil cada vez menor, e que a indústria estimula ativamente a substituição antecipada dos aparelhos, isso não gera insatisfação entre os consumidores, sugerindo que a troca de aparelhos é dada como algo natural. Na cabeça da maioria da população, a substituição parece regida pelos imperativos da moda e da expansão de novas funções. Resultado: apesar dos efeitos negativos para o bolso, o meio ambiente e a estabilidade emocional de quem se depara com a obsolescência de desempenho ou simbólica dos seus aparelhos, raras vezes essa troca é problematizada. A regra assimilada é que a atualização funcional e o upgrade imaginário do status de quem possui tais aparelhos são benefícios mais palpáveis para o consumidor do que os custos de ser indiretamente forçado a descartar aparelhos ainda em funcionamento ou que poderiam ser consertados.

datafilantropia

Da amostra de 806 brasileiros residentes nas 9 principais capitais do país que responderam a pesquisa2, 93% concorda com que “hoje em dia os aparelhos eletrônicos duram bem menos do que no passado”; 90% consideram que “algumas empresas, quando lançam um produto novo, não colocam todas as inovações que poderiam nele, já prevendo o lançamento de uma nova versão”; e 84% acreditam que “alguns eletrônicos são projetados para que durem menos tempo do que seria possível para incentivar que um novo produto seja comprado mais cedo”. Contudo, é um grupo mais reduzido de 67% que admite: “sinto que termino substituindo os aparelhos eletrônicos com maior frequência do que eu gostaria.”.
A diferença entre percepção da existência da obsolescência planejada e a interpretação da mesma como algo imposto é um primeiro indicador objetivo do grau no qual tal obsolescência vem sendo internalizada como sendo natural pelos consumidores. Um segundo indicador é dado pela brecha entre a vida útil real e a percepção de vida útil ideal atribuída a estes aparelhos (que não ultrapassa os 2,5 anos, em média, para bens de uso corriqueiro como celular, computador, impressora ou TV)3 e sua relação com essa sensação de substituição forçada desde o mercado. Um terceiro indicador é obtido quando se avalia que o tempo esperado de duração dos aparelhos entre consumidores que se percebem forçados a trocar e aqueles que não se percebem dessa forma é praticamente o mesmo, apresentando uma diferença inferior a dois meses. Em síntese: a obsolescência não é somente aceita pelos consumidores, como também é abertamente bem-vinda.
A ampla aceitação da obsolescência programada pelos consumidores é suportada também pela elevada predisposição à substituição dos aparelhos, a qual muitas vezes não está vinculada a razões funcionais. Por um lado, embora o consumidor entenda que os aparelhos devessem durar mais, sua expectativa de trocar os atuais aparelhos é elevadíssima: cerca de 4 em cada 10 consumidores afirma que é provável que substituam o celular ao longo de um ano. Para outros aparelhos, as chances são de que 2 em cada 10 façam a troca no mesmo período. Por outro lado, ao explorar os motivos de troca do último aparelho entre a população pesquisada, a opção de maior repercussão é “porque o novo era mais atual, moderno, melhor ou com mais funções”. Quase metade deles (47%) admite razões de modernização tecnológica e simbólica antes de justificar a troca por defeitos de funcionamento ou quebra total. No caso das impressoras e dos computadores, esse percentual supera com folga os 50%.
O que esses dados nos sugerem? Que existe uma assimilação conformada do consumidor frente às estratégias da indústria e da propaganda, já que ele percebe “em abstrato” que os aparelhos deveriam durar mais, mas está satisfeito com a durabilidade e desempenho de seu aparelho. De igual forma, o consumidor não deixa que a suspeita que ele tem de que existem ações corporativas impulsionando a obsolescência dos produtos contamine negativamente outras percepções sobre estes aparelhos ou seu comportamento diante das marcas e dos aparelhos. Definitivamente, os consumidores acabam conciliando suas aspirações por um aparelho menos descartável com sua realidade de troca do mesmo, ajustando suas expectativas de durabilidade e expressando uma satisfação com o aparelho que a troca parece desmentir. É a naturalização da obsolescência, não com base aos argumentos convencionais de geração de riqueza e empregos ou avanços tecnológicos, mas sim com base em uma projeção simbólica modernizada da própria identidade nos aparelhos utilizados. Assim, para grande parte dos brasileiros, a troca antecipada de aparelhos eletroeletrônicos não depende do bom ou mau funcionamento dos mesmos, mas sim do projeto individual de construção e atualização contínua da sua identidade. Para alguns, pode ser o trunfo da “destruição criativa” atribuída ao capitalismo; para outros, a evidência da perversa construção artificial de necessidades por parte da indústria e seu braço ­publicitário. Trate-se de obsolescência tecnicamente programada ou psicologicamente motivada. As consequências sociais e ambientais dela não podem ser ignoradas por aqueles agentes genuinamente comprometidos com um modelo de sustentabilidade. Uma sociedade com clientes vorazmente abraçando o descarte de produtos quando ainda estão funcionando, fabricantes que programam vida útil encurtada nos aparelhos que produzem, agências de publicidade faturando com o pavor à obsolescência psicológica dos consumidores e governos omissos aos efeitos de semelhantes práticas só podem nos colocar na contramão da sustentabilidade.

motivos de substituicao de aparelhos eletroeletronicos