revistafilantropia 460px

 

 
 
Thais Mendes Iannarelli

Thais Mendes Iannarelli

Isaquias Queiroz entrou para a história como o primeiro brasileiro a ganhar três medalhas em uma única Olimpíada. Remando sozinho, conseguiu prata na C1 1000m e bronze na C1 200m. E, ao lado de Erlon de Souza, foi prata na C2 1000m. Ambos começaram a praticar a canoagem por meio do programa Segundo Tempo, um projeto social do Ministério do Esporte.

Foi através do núcleo do projeto em Ubaitaba que Isaquias descobriu a canoagem em 2005, quando tinha apenas 11 anos, metade da sua idade atual. O projeto acabou pouco depois, o que fez Isaquias trocar sua cidade por Rio de Janeiro e São Paulo para continuar treinando em alto nível.

A atleta Rafaela Silva, do judô, que trouxe a primeira medalha de ouro para o Brasil na Rio 2016 também foi iniciada em um projeto social. Rafaela foi descoberta pelo Instituto Reação, projeto do ex-judoca Flavio Canto.

Rafaela e Isaquias possuem características semelhantes: origem humilde, passaram necessidades e, se não fosse o apoio de projetos sociais, nunca poderiam mostrar o seu talento para o mundo. E nós perguntamos: quantos Isaquias, Erlons e Rafaelas existem e estão só esperando a oportunidade de brilhar?

Fonte: Observatório 3º Setor

A Fundação Abrinq lançou dados municipais sobre as condições de vida de crianças e adolescentes no Brasil. Os novos indicadores estão disponíveis no site Observatório do Criança para formadores de opinião e sociedade em geral. A entidade acredita que esta é uma oportunidade para fornecer uma ferramenta de análise e controle social por meio da qual a população olhe para os desafios da infância em cada município e questione aos futuros candidatos sobre as propostas que tem para resolver estas questões sociais que afetam dia a dia as crianças e adolescentes.

No Observatório, as informações são organizadas facilitando o acesso aos dados de diversas fontes públicas e privadas sobre a qualidade de vida e bem-estar da população entre zero e 18 anos. Por meio das análises é possível identificar as políticas públicas, desafios e desigualdades regionais destes grupos.

São 25 temáticas abordadas nas pesquisas do site: Acesso a Saúde, Aprendizagem Profissional, Cultura e Lazer, Educação de Indígenas, Educação de Jovens e Adultos EJA, Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, Medidas Sócio Educativas. Assim como as relacionadas diretamente com a qualidade de vida: Sistema de Garantia de Direitos, Moradia, População, Registro Civil, Renda, Saúde Bocal, Saúde Materna e Neonatal, Saúde Sexual e Reprodutiva, Saneamento Básico, Segurança Alimentar e Nutricional, Sobrevivência Infantil, Trabalho Infantil, Violência e Criança e o adolescente na ODS, temática que reúne indicadores nacionais de desenvolvimento sustentável.

Junto destas 25 temáticas o Observatório apresenta, no total, 270 indicadores de estudo diferentes. Todos os dados disponíveis podem ser individualizados e comparados com outras cidades. O site também oferece a opção de obter planilhas por meio de um link no final da página assim como compartilhamento pelas redes sociais. Os dados disponíveis são de todos os municípios e estados brasileiros. Também é possível encontrar um espaço com a Agenda Legislativa da criança e do adolescente para um acompanhamento direto das atividades que o Congresso Nacional realiza para melhorar de forma legal a situação deste grupo.

Fonte: Envolverde

Novos dados da pesquisa Doação Brasil, do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (Idis), revelam que 71% dos entrevistados entendem que as ONGs dependem das doações de pessoas e empresas para obter recursos e funcionar e 44% concordam que essas instituições fazem um trabalho competente. Porém, apenas 26% dos acham que as ONGs são confiáveis.

A Doação Brasil é o mais abrangente levantamento nacional já realizado no país que visa mapear os hábitos de doação dos indivíduos. Dessa vez o foco é o relacionamento com as ONGs, organizações não governamentais.

A pesquisa mostra que 64% dos doadores doam apenas para uma instituição, sendo que 39% dos doadores já visitaram pessoalmente o local para a qual doam. A fidelidade se destaca neste item, já que 70% dos doadores entrevistados disseram que costumam doar sempre para a mesma ONG, ano após ano. Em 2015, as doações individuais dos brasileiros totalizaram R$ 13,7 bilhões, valor que corresponde a 0,23% do PIB do Brasil.

Quase dois terços dos entrevistados (61%) afirmam que as ONGs insistem demais ao pedir doações e 64% acreditam que ao se fazer uma doação, corre-se o risco de ser procurado por outras organizações. O levantamento serve de alerta para o trabalho dessas instituições, já que o público deixou bem claro rejeitar abordagens em domicílio e locais públicos.

O levantamento, encomendado ao Instituto Gallup, entrevistou duas mil pessoas em todo país, com 18 anos ou mais, residentes em áreas urbanas e com renda familiar mensal a partir de um salário mínimo.

Fonte: Idis

Maior festival anual de mobilização e educação para a sustentabilidade do Brasil, a Virada Sustentável realiza sua 6ª edição em São Paulo, até o dia 28 de agosto, com centenas de atividades e atrações culturais gratuitas distribuídas por toda a cidade. Shows, palestras, exposições, feiras de produtos orgânicos e veganos, cinema, oficinas, totalizando mais de 800 eventos que propõem uma visão ampla, positiva e inspiradora da sustentabilidade em temas como biodiversidade, cidadania, mobilidade urbana, água, direito à cidade, mudanças climáticas, consumo consciente e economia verde, entre outros.

Neste ano, o evento acontece simultaneamente em parques como Ibirapuera, Chácara do Jóquei, Guarapiranga e Luz, Bibliotecas Villa Lobos e São Paulo, além de Unibes Cultural, Museu da Casa Brasileira, dezesseis unidades CEU, Fábricas de Cultura e diversos espaços públicos.

Confira a programação completa e detalhada: www.viradasustentavel.com

Fonte: Virada Sustentável

Com a proposta de tornar os direitos das crianças o tema prioritário das agendas de governo dos candidatos à prefeitura em todo o país, a Rede Nacional Primeira Infância (RNPI) lançou a campanha suprapartidária Criança é Prioridade. A Rede – um foro de articulação que reúne mais de 200 organizações da sociedade civil e governamentais – pretende que os futuros gestores assumam o compromisso público pelos direitos das crianças. Ele eles garantir vagas em creche; atendimento de qualidade e gratuito na rede pública de saúde; espaços públicos para brincar e expressar sua criatividade; entre outros.

Para participar, o candidato pode acessar diretamente a plataforma e assinar o termo. Além disso, a proposta da Campanha é engajar organizações e cidadãos para uma ampla mobilização nacional sobre o tema. Ao se inscrever no site, por exemplo, os interessados recebem um material. Ele inclui a carta e o termo de compromisso para entregar aos candidatos, um guia informativo da campanha, e imagens para promover os direitos das crianças nas redes sociais. No site, há também um mapa do Brasil que vai informar os candidatos que assinarem o compromisso.

A RNPI preparou, inclusive, um material que traz sugestões de mobilização e formas diferentes de participar da iniciativa direcionados a cada tipo de público. A dica, por exemplo, para as instituições participantes é para organizar um encontro com todos os candidatos do seu município a fim de que eles apresentem as suas propostas de políticas para a infância, e também para assinarem o compromisso. Outra forma possível é aproveitar um evento em que o candidato ou candidata esteja participando e apresentar a campanha. A ideia é que cada participante da campanha seja um mobilizador no seu território.

Os candidatos são convidados também a se comprometer com a elaboração de um Plano Municipal pela Primeira Infância (PMPI). A Lei Federal nº13.257/2016 – conhecida como Marco Legal da Primeira Infância – prevê a implantação, em cada cidade, de um PMPI. Com esse instrumento de planejamento e gestão, o prefeito pode utilizar melhor seus recursos, articulando a sociedade e as diferentes secretarias municipais responsáveis por atender as crianças – como educação, saúde, assistência social, planejamento urbano, entre outras.

Segundo levantamento da RNPI, há uma pequena parcela do universo total de municípios brasileiros que já elaborou os seus planos. Na percepção da Rede, há ainda falta de informação e a familiaridade dos gestores com o tema da Primeira Infância. As organizações ressaltam ainda que a assinatura do compromisso é a primeira etapa do processo de incidência junto aos candidatos coordenado pela RNPI, etapa que não se esgota em si mesma. O processo prossegue e o contato com os eleitos que aderiram ao compromisso será retomado no início de 2017 para buscar a implementação do(s) PMPI. Para tanto, a RNPI oferecerá assessoria técnica por meio de materiais de suporte aos, então, prefeitos.

A campanha conta com o apoio da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Instituto Alana, Fundação Bernard van Leer e Instituto C&A, membros da Rede.

Fonte: Gife

Um mês após o Comitê Gestor da Internet ser atacado por grandes empresas de telecomunicações em eventos privados e pela Folha de S.Paulo, a Coalizão Direitos na Rede, um coletivo de ativistas criado no VI Fórum da Internet, lançou um manual sobre como participar do CGI.br. O manual foi desenvolvido por Rafael Zanatta, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, e direciona-se somente ao terceiro setor.

Pensado como um material de formação para entidades fora do campo técnico da governança da Internet, o manual explica qual foi o papel do Comitê Gestor da Internet na defesa da neutralidade de rede (princípio de não discriminação do conteúdo por quem garante o acesso à rede), na criação dos Pontos de Troca de Tráfego (que solucionaram problemas de congestionamento e acesso rápido a conteúdo local) e na elaboração de estudos sobre as desigualdades sociais no uso da Internet no Brasil.

O manual explica o que é o conceito de "multissetorialismo" e o modo como ativistas e militantes podem dialogar com empresários, representantes do governo e acadêmicos. Conforme explicado no material, o CGI.br é composto por 21 representantes, sendo que 12 são não governamentais. Para além do governo e o "membro de notório saber", há eleições trienais para indicação dos representantes da academia/comunidade científica, do setor empresarial e do terceiro setor. As próximas eleições acontecem nos próximos meses.

Fonte: Rets

O Grupo de Trabalho de Alimentos e Agricultura da Rede Brasil do Pacto Global lançará no dia 30 de agosto, na sede da BM&F Bovespa, em São Paulo, uma cartilha para que empresas do setor adotem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) a partir dos Princípios Empresariais para Alimentos e Agriculturas (PEAA).

Os Princípios Empresariais para Alimentos e Agriculturas começaram a ser elaborados durante a RIO+20, em 2012, e são resultado de um processo que envolveu 20 consultas mundiais e incluiu mais de mil empresas, agências da ONU e organizações da sociedade civil comprometidas com temas da agricultura, nutrição, sustentabilidade e sistemas alimentares.

De acordo com Beatriz Martins Carneiro, secretária-executiva da Rede Brasil, a cartilha tem o objetivo de trazer conteúdo teórico e apresentar casos práticos de empresas que já incorporam os Princípios em suas atividades. “A publicação é uma oportunidade de compartilhar as boas práticas já existentes em empresas no Brasil. Durante o lançamento, teremos a oportunidade de engajar um público maior, mostrando tanto os princípios como os cases das melhores práticas das empresas signatárias do Pacto Global”, disse.

Para ela, o setor privado é um parceiro fundamental na elaboração e entrega de soluções eficientes no setor de Alimentos e Agricultura, e os PEAA criam a conexão das empresas com a ONU, governos, sociedade civil e outras partes interessadas. “Além disso, a cartilha está especialmente alinhada aos ODS 2 (Erradicação da fome), 3 (Vida saudável e bem-estar para todos), 12 (Assegurar padrões de consumo e produção sustentável), 13 (Combate às mudanças climáticas) e 15 (Uso sustentável dos ecossistemas terrestres)”, acrescentou.

O evento é gratuito, mas as inscrições são limitadas e podem ser feitas aqui.

Fonte: ONU

Gerenciada pelo Instituto Inspirare, a plataforma gratuita Apreender possibilita que o educador conheça diversas propostas e escolha a que melhor se adequa às suas necessidades. A ferramenta sugere a conexão entre os desenvolvedores e educadores e teve essa nova funcionalidade criada a partir de workshops com vários educadores.

Além de apresentar uma lista de soluções com filtros e orientações que podem ajudar a escolha do educador, a Apreender sugere a avaliação e validação das soluções pelos profissionais da área.

Fonte: Envolverde

 

Afiliados Filantropia já podem enviar temas para palestrarem no FIFE 2017!

 

A próxima edição do Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica, que acontecerá nos dias 4 a 7 de abril em Foz do Iguaçu, terá uma novidade inédita e exclusiva para afiliados da Rede Filantropia:

 

 

É possível enviar temas de palestras para concorrer a um espaço para falar no evento! Os selecionados ganharão a inscrição para o FIFE*

 

Preenchendo este FORMULÁRIO, os afiliados Filantropia podem enviar uma sugestão de tema, juntamente com um minicurrículo e um resumo da palestra. Os temas devem estar relacionados à gestão do Terceiro Setor e devem ser de interesse das organizações da sociedade civil de forma geral. Não serão aceitos temas com viés comercial.

O formulário ficará no ar até o dia 30 de novembro de 2016, e 16 temas serão selecionados. Aproveite!

 


*Hospedagem e passagens aéreas não estão inclusas.

 

 

67A10AB1730CCF593A1D5A5A357EDB8B2230D5E8DAB57C4B4Fpimgpsh fullsize distr

Afiliados Filantropia têm 50% de desconto.

 

 

Veja como foi o FIFE 2016:

 

 

 

vídeoFIFE
 
 
www.fife.org.br

 

Terça, 23 Agosto 2016 14:33

Instituto Sicoob

 

LOGO - INSTITUTO SICOOB

 

RECOMENDA:

Utilizando o cupom abaixo você terá 30% de desconto no FIFE 2017!

4C61BE971244DECEF28CCA4CD78226B79428FE60F1653832

Pagina 1 de 231