65 anos da ONU

Por: Eduardo Magalhaes
01 Novembro 2010 - 00h00
Untitled Document

65 anos da ONU

A grande importância de seu papel histórico está ameaçada pela falta de democracia interna

Fundada em 24 de outubro de 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) completou 65 anos. Sua atuação tem sido expressiva para a manu-
tenção do equilíbrio mundial, contribuindo para a nãopropagação de conflitos regionais e a não-deflagração de um novo conflito mundial. Ao mesmo tempo, tem elaborado e executado políticas econômicas e sociais exemplares. Seu poder, no entanto, encontra-se fragilizado devido a resistências de seus próprios fundadores: os Estados Soberanos.

Estrutura da ONU

Como se sabe, a ONU não é uma organização governamental, mas sim intergovernamental, criada ao final da Segunda Guerra Mundial para, principalmente, manter a paz e o desenvolvimento. É composta por 192 países, cujos princípios estão enunciados na Carta da ONU. Sua estrutura básica é constituída por seis órgãos: Assembleia Geral, Conselho de Segurança, Conselho Econômico e Social, Conselho de Tutela, Tribunal Internacional de Justiça e Secretariado.
Apesar de sua instância máxima ser a Assembleia Geral, quem de fato tem mandado são os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança.
Outro espaço fundamental é o Secretariado. Dele faz parte o secretário-geral, funcionário mais importante da ONU. O atual é o sul-coreano Ban Ki-Moon, que tem a função de coordenar a pesada administração da entidade. Apesar de poder influenciar o mundo com suas declarações e, inclusive, propor intervenções militares, muitas vezes se encontra preso por limitações infligidas pelos membros permanentes do Conselho de Segurança, do qual depende para ser eleito e reeleito.
O funcionamento de organizações mundiais como a ONU é de fundamental importância na medida em que não existe um Estado Mundial para regular e fiscalizar as relações entre os países. Mesmo que a ONU não possa, em última análise, obrigar um Estado Nacional a uma determinada ação, suas deliberações têm merecido atenção e respeito pela maior parte dos seus Estados-Membro.

Façam o que eu digo, mas não façam o que eu faço

A exceção fica por conta dos Estados Unidos. Ao mesmo tempo em que são o seu principal financiador, arcando com 25% de seu orçamento, têm desrespeitado importantes decisões do Conselho de Segurança da ONU, órgão do qual são um dos cinco membros permanentes. Talvez o mais significativo exemplo seja a invasão do Iraque em 2003, frontalmente contrária à resolução do Conselho.
A Carta das Nações Unidas, seu principal documento, afirma, no artigo 39, que o “Conselho de Segurança determinará a existência de qualquer ameaça à paz ou ato de agressão, e fará recomendações ou decidirá que medidas deverão ser tomadas (...)”. Isto é, além de ir contra a decisão do Conselho, os EUA também não respeitaram o texto básico e de fundação da ONU. Devido à sua hegemonia especialmente militar e, ainda, econômica, os EUA acabam passando por cima de decisões internacionais da organização quando lhes é conveniente.
No último dia 26 de outubro, a Assembleia Geral da ONU aprovou o fim do bloqueio comercial e financeiro contra Cuba, imposto unilateralmente pelos EUA desde 1962. Foram 187 votos pela aprovação, dois contra (EUA e Israel) e três abstenções. É a 19ª vez que o órgão aprova o fim do bloqueio, sempre solenemente desprezados pelo governo norte-americano.

Reformas urgentes

Esses casos servem para demonstrar a urgente necessidade de reformas institucionais e organizativas da ONU com o objetivo de democratizar suas instâncias consultivas e deliberativas. Apesar de discutidas desde pouco depois de sua criação, nunca avançaram. Atualmente, por exemplo, há um grupo de trabalho discutindo a reforma do Conselho de Segurança. Composto somente por 15 membros, sendo cinco permanentes (EUA, China, França, Reino Unido e Rússia), não reflete mais a realidade econômica e a política mundial. Não considera os países emergentes, como o Brasil e a Índia, e muito menos os outros países em desenvolvimento. Caso não haja mudanças, a ONU corre sério risco de perder sua legitimidade, ou seja, o status de governança global, já abalado, tornando-se uma entidade pró-forma, pusilânime e perdulária (o orçamento de 2010-2011 é de US$ 5,06 bilhões).
Entre as propostas em discussão está a constituição de um Conselho de Segurança sem membros permanentes, eleitos periodicamente entre aqueles países que contribuem para as atividades da ONU.

As entidades não-governamentais e a ONU

Ao longo dos últimos 65 anos, o mundo mudou bastante. Hoje, os atores internacionais não são somente os Estados Nacionais, mas também entidades nãogovernamentais, com profunda atuação internacional, sejam lucrativas ou não. É o caso das empresas multinacionais, das Federações Sindicais Mundiais e das ONGs globais ( financiadores e/ou executores).
Convivemos com multinacionais cujas receitas são maiores do que os orçamentos da maior parte dos países, entidades sindicais mundiais que representam e negociam por dezenas de milhões de trabalhadores, além de ONGs financiadoras e executoras de projetos sociais com recursos maiores do que grande parte das políticas públicas. Nesse cenário globalizado, fica impossível não reconhecer a influência e a atuação dos atores não-governamentais.
Em relação ao Terceiro Setor, há vários exemplos: Greenpeace, Fundação Friedrich Ebert Stiftung, Oxfam, Care, Save the Children, Fundação Ford, Fundação Kellog, Fundação Rockfeller, Fundação Shell; além da maior de todas, a multibilionária Fundação Bill & Melinda Gates.

Multilateralismo e diversidade de atores

A democratização da ONU por meio de maior acesso de seus Estados-Membros às instâncias deliberativas e o fortalecimento de sua relação junto aos protagonistas internacionais não-governamentais é, sem dúvida, condição sine qua non para seu rejuvenescimento e fortalecimento.
Com o objetivo de dar conta desse desafio, será necessário enfrentar a enorme resistência dos países centrais, notadamente dos EUA. Esse país precisa, em nome do bem-estar mundial, conscientizar-se de que seu domínio, apesar de enorme, não é mais absoluto e unânime. Não há um “vencedor” da história, e muito menos esta acabou. O cenário internacional pós-queda do muro de Berlim e a derrocada da antiga URSS não consagrou a unipolaridade, mas sim a interdependência complexa entre Estados e entidades não-governamentais globalizadas.
Vivemos, portanto, em um planeta multifacetado. Várias questões não podem ser resolvidas isoladamente, como o aquecimento global, as crises econômicas, o terrorismo, a produção e uso de energia, a fome, os processos migratórios, entre outras. Para alcançar uma nova configuração realmente democrática e condizente com a realidade internacional atual, a ONU igualmente precisará do apoio dos países emergentes, principalmente dos BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China) e dos já referidos grandes atores internacionais não-governamentais.

www.aeseletropaulo.com.br

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS