A esfinge e a paixão

Por: Felipe Mello, Roberto Ravagnani
01 Novembro 2010 - 00h00
Untitled Document

A esfinge e a paixão

Para impressionar o leitor de bate-pronto, ampliando as chances de ter a sua companhia até o final do texto, recomendam os especialistas a inserção de uma afirmação categórica seguida de uma citação potente (obviamente, de um personagem respeitado). Sendo assim: a vida atual demonstra a cada dia que paixão e saúde são forças indissociáveis; já dizia Hipócrates, o “pai da medicina”, que “o homem que se afasta do seu destino adoece”.
Uma observação dos relatórios de remédios mais vendidos no Brasil confirma: muita gente opta por caminhar pela vida de forma anestesiada, apática. Nos citados documentos, o tranquilizante mais vendido em 1998 ocupou a sexta posição da lista; em 2008, um representante dessa categoria saltou para a segunda colocação, ultrapassando até mesmo comprimidos para dor de cabeça e pomadas para assaduras. Muita gente buscando alívio fabricado em laboratório. Voltando ao universo hipocrático, apatia significa “ausência de paixão”, e anestesia, “ausência de sentimento”.
Nova citação contundente: Hegel ( filósofo alemão do século 18) diz que “nada de grandioso no mundo foi realizado sem paixão”; razoável imaginar que o excessivo consumo dos medicamentos citados leva o indivíduo a um “efeito Tostines”: “será que o consumo de tranquilizantes não me faz perceber a vida como algo grandioso ou por não perceber a grandiosidade da vida uso tranquilizantes?”. O fato é que a ausência de paixão na vida alimenta um círculo vicioso que diminui a potência humana criativa, afastando o indivíduo do seu destino a cumprir, adoecendo-o.
O início da adolescência de um jovem no momento esplendoroso da Grécia Antiga era marcado por um ritual: nus, enrolados por uma guirlanda à estátua de Eros, declaravam nada fazer ou dizer ao longo de suas vidas que não fosse em nome da paixão. Essa cerimônia acontecia durante a Paideia, processo de educação grego que tinha como objetivo transformar o ser humano em uma obra de arte, ética e criadora, pela revelação e aprimoramento contínuos dos seus talentos. Um tempo depois, para se tornar cidadão, o indivíduo fazia um discurso em praça pública respondendo quem era, de onde viera e para onde iria (enigma da Esfinge), e também como os seus talentos serviriam à coletividade. Tudo pela excelência pessoal, chamada por eles de “areté”, uma demonstração de respeito à vida, pela busca do melhor que se pode ser a partir do que se é.
Na Antiguidade ou nos tempos atuais, a necessidade da resposta ao enigma da Esfinge lateja forte. É o papel dele. Afinal, “esfinge” vem de esfix, sufocar, angustiar. Quem não se dedica à resolução do enigma sente um aperto contínuo e crescente. Muitos buscam ludibriar a figura mitológica, seduzindo-a com distrações químicas. Soa como procrastinação. O mergulho no mistério individual, em busca dos talentos e do destino a cumprir, mesmo com todas as intempéries do caminho, ainda se apresenta como o mais verdadeiro combustível para a paixão e a realização do ser. Quem se afasta do seu destino adoece, pois outro destino qualquer acaba arrastando-o pela vida.
Como último apelo em busca da aprovação do leitor, que venha Nietzsche ( filósofo alemão do século 19): “quem tem pelo que viver aguenta qualquer como”. Os apaixonados sabem muito bem disso.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.586
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.490
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
Paranapanema - Doações e Patrocínios
Prazo
Aceleradora P&G Social
Prazo
31 Dez
2020
IberCultura Viva 2020
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona

PARCEIROS VER TODOS