Aprendizagem: solidez e experiência fazendo o Brasil crescer

Por: Marinus Jan van der Molen
01 Julho 2012 - 00h00
A consolidação dos serviços de aprendizagem no Brasil tem, sem dúvida, um notável merecimento no aspecto de marco positivo e de contribuição para a história do país. Começa em 1942, com a criação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) pelo governo do então presidente Getúlio Vargas, e se seguiu com a criação das demais instituições do sistema “S”. O objetivo era atender uma demanda crescente de formação de mão de obra para o momento que o país vivia: a transição da economia agrícola para a industrializada. A mesma legislação de criação dessas instituições regulamentou ainda a tributação para a sustentabilidade econômica dos Serviços de Aprendizagem, além de fixar as cotas mínimas e máximas para a contratação dos aprendizes. Há mais de 60 anos esse sistema vem contribuindo para o crescimento do nosso país por meio de programas de aprendizagem.
Em 2000, o governo decidiu impulsionar a prática por meio da lei nº 10.097/2000. Havia uma demanda social: era necessário criar dispositivos para gerar emprego e renda para adolescentes e jovens no Brasil.  Assim, a Lei do Aprendiz, como ficou caracterizada, previu a inclusão – ao lado dos Serviços de Aprendizagem – das organizações sem fins lucrativos, pois elas têm a expertise para capacitar e a capilaridade para identificar e assistir  jovens em situação de maior vulnerabilidade social. Por entender os múltiplos benefícios que a lei nº 10.097/2000 oferecia ao adolescente, o Espro foi um dos pioneiros em preparar-se como Organização Certificadora de Aprendizes. Em 2003, por exemplo, teve participação ativa junto ao Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), contribuindo com a elaboração da resolução necessária para uma regulamentação local, iniciando pela cidade de São Paulo.
Em 2005, a lei nº 11.180 alterou o limite de faixa etária do aprendiz, o que gerou um aumento significativo no número de vagas. Aquelas vedadas aos menores ficaram liberadas para os jovens maiores de idade, provocando o crescimento da demanda por programas de aprendizagem nas cidades do interior dos Estados. No mesmo ano, o decreto nº 5.598/2005 regulamentou a lei nº 10.097/2000, gerando maior segurança tanto para as empresas quanto para as organizações certificadoras.
No início, a adesão foi bastante modesta e era, de fato, o esperado. A Lei do Aprendiz é uma obrigação legal que dificilmente é atendida espontaneamente. Ademais, havia ausência de informação sobre a nova legislação e as obrigações por ela geradas. Mas o cenário foi mudando, devido aos esforços do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE) e das organizações certificadoras, que promoveram inúmeros eventos e fóruns esclarecedores. As empresas passaram a utilizar os  programas de aprendizagem em sua política de recrutamento e formação profissional de novos colaboradores; outros colocaram o programa dentro da política de Responsabilidade Social Corporativa e, assim, cada um foi encontrando soluções que melhor atendiam às necessidades e valores da sua organização. Muitas empresas parceiras tornaram-se entusiastas apoiadoras do programa de aprendizagem após constatarem quantos benefícios o programa traz, tanto para os jovens quanto para elas próprias. E então promovem treinamento, capacitação e acompanhamento para os jovens e oferecem a eles a possibilidade de avanço educacional. Isso sem contar o grande interesse na efetivação do aprendiz.
A condição de aprendiz tem dois aspectos fundamentais: o primeiro é que o jovem recebe uma formação técnico-profissional metódica, e a condição obrigatória para isso é que ele frequente o ensino regular; o segundo aspecto é que ele ingressa no mundo do trabalho com registro em carteira, salário e todos os demais direitos e a benefícios. Das muitas formas de trabalho no país, esta é a que melhor protege e favorece a inserção de jovens ao mundo do trabalho e, inclusive, é respaldada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
Os programas de aprendizagem ajudam e estimulam o jovem a retomar ou continuar seus estudos. As taxas de evasão e abandono escolar são os mais críticos justamente entre 14 e 18 anos. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), quem possui até oito anos de estudo tem 40% de chance de ficar na linha de pobreza. Quem possui 11 anos de estudo, ou seja, concluiu o ensino médio, reduz esta chance a 9%.
Com o objetivo de amadurecer e viabilizar as vertentes da aprendizagem com todos os públicos estratégicos, o governo criou o Fórum Nacional de Aprendizagem Profissional. Nos últimos quatro anos, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), tivemos mais de 645 mil jovens capacitados para o mercado de trabalho. Hoje, a meta do governo é chegar ao número de 1,2 milhão de aprendizes no país até 2015. Obviamente, tendo metas a atingir, o governo se vê na obrigação de criar condições para que a aprendizagem se torne possível, disseminada e devidamente monitorada. O que se nota é que, desde o ano de 2000, nunca houve um momento em que a movimentação do governo com relação a este assunto estivesse tão ativa.
Esta demanda deverá ser atendida, em conjunto, pelo Sistema “S”, pelas escolas técnicas e pelas organizações sem fins lucrativos. No Espro, vemos várias formas de ajudar o Brasil a atingir esta meta: contribuindo com a construção de novos programas para segmentos pouco explorados pela aprendizagem;  por meio de parcerias, auxiliando outras instituições a se tornarem certificadoras; articulando-se para a evolução do programa por meio de presença constante nos debates e decisões do governo e parceiros; e, por fim, realizando cada vez melhor o nosso trabalho. Formamos mais de 17 mil jovens a cada ano, em mais de 2 mil municípios no Brasil.
Nossa experiência, como também de outras instituições envolvidas com a causa, como o Instituto Ethos e os Atletas pela Cidadania, mostra que mesmo os empresários mais resistentes têm sua concepção sobre o assunto positivamente alterada após contratarem seu primeiro aprendiz. Isso se deve à percepção de que, ao contratá-los, passam a ter a nobre atribuição de prepará-los para um futuro profissional, fazem um ato de responsabilidade social e percebem que os investimentos são condizentes e compensadores. A prática da responsabilidade social pressupõe que toda a cadeia envolvida seja impactada. Num país como o Brasil, onde ainda existe o déficit social e o educacional, ser uma empresa que apoia a aprendizagem é uma importante contribuição. É preciso que apoiemos iniciativas que gerem oportunidades e despertem o interesse intelectual nos jovens. Trazer a causa social para dentro de casa. Atuar para a sustentabilidade da nossa sociedade.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS