Cradle to Cradle Além da sustentabilidade

Por: Fernando Credidio
01 Maio 2011 - 00h00

O conceito do C2C – cradle to cradle design (desenho do berço ao berço) vai além da ideia de sustentabilidade. Criado pelo analista industrial suíço Walter Stabel, ganhou projeção nas mãos do arquiteto norte-americano William McDonough e do químico alemão Michael Braungart, celebrando-se como uma aproximação revolucionária do olhar humano para a natureza.
“Além da sustentabilidade” porque não se prende, meramente, à redução de impactos. Para os precursores desse pensamento, diminuir os impactos ambientais é como propor fazer menos mal, ou seja, sob a ótica do cradle to cradle, metas socioambientais que se limitem puramente à eficiência não servem.
Viver sob as leis da eficiência não combina com o ser humano. Imagine como seria um jantar italiano eficiente... apenas um prato de massa sem molho, desacompanhado de vinho, de música, enfim, sem a atmosfera romântica no ar. Ou um concerto de Mozart eficiente, sem todas as nuances que o tornam uma obra de arte primorosa. Estar sob a égide da lei da eficiência, diante da necessidade da sustentabilidade, é como concordar que a nossa presença no mundo não é desejável. Não é isso o que buscamos. Tampouco pretendemos salvar o planeta. Desejamos aprender, isso sim, a viver nele.
A consciência ambiental para esse novo paradigma acompanha a inovação e a criatividade na maneira de raciocinar. É um passo a mais, um amadurecimento de compreensão de como seremos capazes de produzir. Afinal, a era da pedra não foi extinta porque acabou a pedra. Foi a consciência que mudou. O cradle to cradle responde a essa nova proposta de raciocínio sobre como perpetuar as atividades do homem numa relação ganha-ganha com o meio. Ele também não deseja criar produtos que sejam ambientalmente corretos, mas, sim, ambientalmente positivos, para que a presença humana no mundo seja enriquecedora e próspera, e não repleta de culpas e alarmismos.
O conceito resulta em um redesenho do sistema de produção. Toda a sua ideia parte do que é um desenho: uma intenção que, antes de pensar nas consequências do projeto, propõe, de forma inteligente, soluções para servir acima de tudo as pessoas e o meio. Por exemplo, em vez de construções que consumam menos recursos, construir prédios que produzam energia, que reciclem a água e que sirvam de abrigo para pássaros. Ou automóveis que purifiquem o ar. São essas as ideias do cradle to cradle.
Pensar com esse olhar é aprender com a própria natureza, mirando os olhos ao seu nível, a fim de se praticar a biomimética, que é uma área da ciência que tem por objetivo o estudo das estruturas biológicas e de suas funções, procurando aprender com a natureza (e não sobre ela), utilizando esse conhecimento em diferentes domínios científicos. Tudo parte da lei da produtividade regeneradora e saudável dos modelos naturais. Quando aplicado nas fases iniciais de um projeto, pode criar uma indústria que sustente e equilibre os aspectos sociais, ambientais e econômicos das atividades humanas. Isso porque seu objetivo é alcançar o máximo valor (social, ambiental e econômico) mediante a prática de um desenho inteligente.
Em síntese, os princípios do cradle to cradle são:
• O resíduo sempre é um recurso;
• O uso da energia solar;
• A celebração da diversidade;
• A eco-efetividade (seguindo os princípios de desenho da natureza).
Com esses princípios, o C2C trata do desenho de produtos e dos respectivos processos produtivos, de modo que todas as partes (componentes e matérias-primas) envolvidas sejam totalmente reutilizadas em novos processos produtivos, depois que esses produtos forem descartados. É importante, nesse ponto, não confundir esse conceito com o da reciclagem. A reciclagem do papel não é um exemplo de aplicação do cradle to cradle porque, após a sua utilização, irá produzir um material de qualidade inferior, no mínimo diferente do original. Além disso, o produto gerado na reciclagem demandou reprocessamento, consumo de energia e recursos.
Com o cradle to cradle, a premissa é que o reprocessamento do produto descartado crie um novo produto de qualidade igual ou superior ao original. Mesmo que não necessariamente para a mesma aplicação ou para igual mercado. Ademais, existe a preocupação que todo o processo de produção e as matérias-primas sejam ecologicamente efetivos, e não apenas eficazes.
Quando o sistema funciona, um círculo produtivo (produção – descarte – produção) se estabelece e maximiza o valor agregado sem prejudicar o ecossistema e sem restringir recursos para os seres vivos, incluindo os seres humanos. Um exemplo conhecido de aplicação desse conceito é fazer do lixo comida. Depois de descartado, o lixo orgânico pode se tornar, no mínimo, fertilizante. Logo ele estará realimentando a cadeia numa função nobre, utilizado para a agricultura e a geração de alimentos. Outro exemplo é utilizar fibras inteligentes biodegradáveis ou fibras que possam permitir o reprocessamento total para a indústria têxtil, com novas cores ou aplicações. O cultivo do algodão, por exemplo, consome muito pesticida, e a pigmentação dessa indústria é extremamente crítica para os mananciais.
Esse pensamento faz tanto sentido que o governo chinês está construindo diversas cidades utilizando o conceito. O impacto ambiental seria inimaginável caso a China resolvesse construir todas as novas cidades de acordo com a tecnologia convencional. Na indústria, a fabricante de tênis Nike (que, não há muito tempo, foi acusada de empregar mão de obra escrava em seus processos produtivos) já conta com um produto desenvolvido segundo o conceito do cradle to cradle.
McDonough e Braungart ainda mantêm exclusividade na certificação do modelo. Se, por um lado, isso restringe a expansão da acreditação e da validação do sistema, por outro, mantém a credibilidade e a confiabilidade em quem possuir o certificado.
A proposta é inovadora e promissora. Porém, de nada adiantará uma nova consciência tecnológica se esta não vier acompanhada da evolução da consciência humana no que cerne a valores de ética, de transparência, de responsabilidade e de vontade de corrigir anos de desvios socioambientais. Além, naturalmente, da necessidade de elevar ao máximo os valores da educação e os princípios da convivência e da participação comunitária, para que a mudança seja positiva, próspera e efetiva.
Com esses princípios, o C2C trata do desenho de produtos e dos respectivos processos produtivos, de modo que todas as partes envolvidas sejam totalmente reutilizadas em novos processos produtivos, depois que esses produtos forem descartados

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
17.033
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.312
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
31 Mai
2020
I Prêmio Josemar Guilhermino de Literatura
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
29 Mai
2020
Prêmio CAPES de Tese
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
1 Jun
2020
Sophie Danforth Conservation Biology Fund
Prazo
18 Jun
2020
Global Health Security & Pandemics Challenge
Prazo
30 Jun
2020
Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS