Dos Palcos Para A Vida Real

Por: Thaís Iannarelli
06 Julho 2015 - 14h09

Cantora E Escritora Fernanda Takai Fala Sobre Sua Atuação Em Campanhas Sociais E Sobre A Área Social No Brasil

rF72 01

Conhecida por integrar a banda Pato Fu, Fernanda  Takai é cantora, compositora e cronista.  Há 22 anos,  é a cantora da banda mineira e, recentemente, iniciou  sua carreira solo. Fernanda já lançou 15 álbuns, DVDs e tem 4 discos de ouro. Já recebeu diversos prêmios e tem três livros publicados.

A artista se apresentou como convidada de projetos de  artistas como Gilberto Gil, João Donato, Roberto Menescal,  Zélia Duncan, entre outros.
Atualmente, Fernanda se engaja  em campanhas em defesa pelos animais e também apoia a  campanha de crowdfunding #sejaumapossibilidade, da ONG  Novo Céu, de Minas Gerais.

Em entrevista à Revista Filantropia, Fernanda fala sobre  seu engajamento social e sobre sua visão da área social como um  todo no país.

Revista Filantropia: Você tem participado de diversas campanhas  em defesa dos animais. Como você avalia o trabalho  que vem sendo desenvolvido pelas ONGs de proteção animal?   

Fernanda Takai: Percebo que cada uma tem seu jeito de lidar  com os três aspectos mais importantes, a meu ver: educação, incentivo  à adoção e busca de novos parceiros. O trato diário geralmente é  parecido e depende muito do tamanho da instituição. Acho que um  método infalível de garantir que os animais sejam bem cuidados é a  triagem muito criteriosa de quem vai trabalhar para isso não sendo  apenas voluntário. Quem ama os bichos é sempre responsável e carinhoso,  mas quem está apenas pensando no salário pode causar muitos  estragos emocionais e físicos aos que mais precisam de atenção.

RF: Ultimamente, você vem direcionando seu trabalho de  cantora e escritora para o público infantil. Você acredita  que as ações sociais e a atenção que vêm sendo dispendidas  para esse público levará a uma melhora significativa  no futuro da nossa sociedade? 

FT: Sabe que foi quase por acaso? Ao longo de minha carreira,  que já tem 22 anos, muita coisa foi acontecendo. Eu sempre  tive uma relação fácil com o público infantil. Quando fizemos o  Música de Brinquedo, ela estreitou-se. Paralelamente, eu tinha lançado  dois livros de contos e crônicas, então achei que seria interessante  apresentar para essa nova audiência a minha tentativa de  ser – eventualmente – uma escritora. Não tenho dúvida alguma  de que a base de uma sociedade equilibrada, respeitosa e diversa  é a boa educação, o incentivo às artes, ao esporte, à música, à  dança. Pessoas sensibilizadas por tudo isso tendem a pensar coletivamente  de maneira mais saudável.

RF: Quais pautas devem ser tratadas com prioridade no  Brasil para que possamos promover o bem-estar social a  todos os seus cidadãos?

FT: Saber escutar o que o outro tem a dizer, e ler muito também. O ser humano não deve perder nunca a vontade de aprender  um novo idioma, fazer cursos de aperfeiçoamento profissional,  adquirir alguma habilidade extracurricular, participar de forma  ativa na sua vizinhança (através da escola, associação de bairro,  igrejas, ONGs). Isso tudo só é alcançado com uma boa base educacional. Não é à toa que se insiste muito na parceria família-escola. Os indivíduos espelham geralmente o que está à sua volta,  é raro alguém romper barreiras por si só.

RF: O que você acha da atuação do Terceiro Setor no Brasil? 

FT: Ainda é tímida para o tamanho do país, não só em termos  geográficos, mas também de movimentação financeira. Pode ser  uma fase de transição e aprendizado ainda. Criticamos muito o  Brasil, mas somos uma nação jovem nessa linha do tempo que é  a civilização. Acho que ainda estamos separando as pessoas que  são idôneas das que querem fazer disso um modo de autobeneficiamento. O setor evoluirá com o próprio desenvolvimento da  nação e, se tudo der certo, contribuirá muito com isso.

RF: Vários projetos educacionais e musicais são voltados  para crianças. Você acredita que esses dois temas podem  contribuir fortemente para uma mudança no Brasil? 

FT: Eles contribuem, é claro. Mas não são suficientes sozinhos. Essas mesmas crianças têm que se alimentar bem, morar e se locomover  em segurança, tendo muita motivação para o futuro! O que  gosto sobre a música é que ela sempre alcança as pessoas, difícil  alguém que não se sinta tocado por essa expressão humana. Todo  projeto educacional, musical ou não, precisa encantar os pequenos,  abrir-lhes um sorriso e semear a vontade de dar o próximo passo.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.586
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.490
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
Paranapanema - Doações e Patrocínios
Prazo
Aceleradora P&G Social
Prazo
31 Dez
2020
IberCultura Viva 2020
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona

PARCEIROS VER TODOS