Projetos sociais na perspectiva universalizadora da assitência social

Por: Maria Liduína Oliveira e Silva
01 Janeiro 2007 - 00h00

Desde a Constituição Federal de 1988 e, sobretudo, da Lei Orgânica de Assistência Social (Loas), muitos profissionais e estudiosos têm concebido a assistência social como uma política pública, de caráter universal, constitutiva do tripé da seguridade social – composto pelas políticas setoriais de saúde, previdência e assistência social –, cujas ações devem assegurar a participação da sociedade civil organizada e serem direcionadas à emancipação do sujeito para o pleno exercício de sua cidadania.
Esses fundamentos estão no art. 1º da Loas, que explicita: “A assistência social, direito do cidadão e dever do Estado, é política de seguridade social, não contributiva, que provê os mínimos sociais, realizada através de um conjunto articulado de ações de iniciativa pública e da sociedade para garantir o atendimento às necessidades básicas”.
Assim, a assistência social é compreendida como uma política pública, na qual não cabem práticas assistencialista, conforme paradigma da necessidade que marcou institucionalmente a trajetória da assistência social no Brasil até a promulgação da Loas e que, ainda hoje, é latente e presente na cultura política brasileira.
Com a Loas, passamos a identificar a assistência social como um direito do cidadão. Esse foi o grande discurso dos anos 1990, que estava acrescido de sentido universal da assistência social, o mesmo que englobava as políticas públicas. No entanto, ainda hoje o debate sobre a universalidade da política de assistência social gera polêmicas ou, no mínimo, ambigüidades, havendo a necessidade de um maior aprofundamento por estudiosos da área.
Não nos propomos a fazer esse debate, apenas queremos dar visibilidade a ele e, nesse sentido, temos observado que a questão da assistência social no contexto do neoliberalismo tem se mostrado complexa, ambígua, refratária e de difícil compreensão. Mais complicado ainda é quando se trata de sua execução, que, raramente, está integralizada intersetorialmente na perspectiva da universalização dos direitos sociais.
Apesar de vivermos em um Estado democrático de direito, com leis democráticas, a cidadania não está universalizada. É como diz Gilberto Dimenstein: “Somos cidadãos de papel”, ou como expressa Alba Zaluar: “Os cidadãos não vão ao paraíso”, haja vista o desmonte do Estado social, em que o Poder Executivo fragmenta a esfera pública e se desobriga de suas responsabilidades básicas como a universalização das políticas sociais.
Nesse termo, é visível a contradição essencial no caráter de universalização da assistência social, no sistema capitalista. A grande contradição que envolve a assistência social como política é que ela tem sido acionada contemporaneamente pelo Estado como uma das estratégias para enfrentar a questão social que caracteriza a sociedade de classes e, portanto, se configura como resposta às contradições geradas no âmbito da desigual relação capital e trabalho. Isso nos leva a refletir que a assistência social não é um campo autônomo, desvinculado da questão social, mas, sim, originária da estrutura social capitalista.
Nessa lógica, parece ser, no mínimo, ambíguo o caráter universal da assistência social, que no neoliberalismo tem sido considerada como uma transferência de renda, de recursos, sem prioridade para a política universal do trabalho. Daí questiona-se: até que ponto a política de assistência social consegue assegurar direitos de forma universal? Qual é de fato a integralização operacional da política de assistência social com as demais políticas setoriais, visando à elevação do patamar mínimo de atendimento às necessidades básicas do cidadão? Como assegurar nas ações práticas a universalidade da proteção social para crianças, adolescentes, jovens e suas famílias? Como afiançar a universalidade do direito social em uma “sociedade providência”, que vem desresponsabilizando a esfera pública de suas obrigações e, ao mesmo tempo, culpabiliza as pessoas e moraliza a questão social?
Posto isso, observa-se nos programas de atendimentos da área da assistência social que o corte de classe social persiste: não são para todos os cidadãos, mas para quem dela necessitar. Claramente, é o pobre que tem sido o usuário historicamente da assistência social, na perspectiva do controle social. É o que se pode identificar no Plano Nacional de Assistência Social, quando está pautado em uma visão considerada “inovadora”, na perspectiva “ética” de incluir os “invisíveis” e os “desiguais”. Assim, mais uma vez, é o controle social que se apresenta como alternativo para fazer o enfrentamento aos riscos e às vulnerabilidades gerados pela própria sociedade de classes.
Por fim, este artigo foi pensado apenas como uma reflexão introdutória sobre a política de assistência social, que por si só não vai garantir sua universalidade e, sim, reproduzir-se isoladamente. Mas, por outro lado, é preciso compreendê-la como uma conquista, como política pública, a qual deve se corporificar como parte integrante da seguridade social e do conjunto das políticas de proteção social, bem como se estruturar transversalmente no âmbito das demais políticas públicas para, assim, contribuir para assegurar a universalização dos direitos sociais ao usuário. Sob esta visão, o significado de universalização está diretamente associado à igualdade de direitos, a receber amplamente informações, possuir direitos, benefícios e inserção nos programas de atendimentos das políticas públicas, para que esta sociedade tenha alguma chance de transformação.
Portanto, torna-se necessário que, ao se propor um projeto social, sejam avaliadas as condições sociopolíticas para seu desenvolvimento. Isto quer dizer romper com ações compensatórias, que se propõem a oferecer o mínimo do mínimo, favorecendo, com isso, a sua dependência e subordinação às ações filantrópicas

"A assistência social não é um campo autônomo, desvinculado da questão social, mas, sim, originária da estrutura social capitalista"

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
20.245
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.592
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
31 Dez
2020
IberCultura Viva 2020
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
Paranapanema - Doações e Patrocínios
Prazo
Aceleradora P&G Social
Prazo
20 Set
2020
Edital de Patrocínio - Banco da Amazônia
Prazo
2 Out
2020
Arte em Toda Parte
Prazo
20 Set
2020
Prêmio 99 de Jornalismo

PARCEIROS VER TODOS