Responsabilidade Governamental

Por: Marcio Zeppelini
01 Março 2009 - 00h00

Nas últimas décadas, tem sido crescente o espaço dado ao tema “responsabilidade social empresarial”. Nada prevê, porém, o aspecto da responsabilidade do grupo de pessoas físicas que assumem papéis no Primeiro Setor a fim de governar uma cidade, Estado, país ou um simples órgão público. Além dos deveres intrínsecos ao cargo de governante, não há discussão acerca da bandalheira desses órgãos.

Eis que pressuponho, a título de sugestão (como cidadão, eleitor e contribuinte), a criação do “código de ética do governante público” ou, resumidamente, a “responsabilidade governamental”. Contanto que esta seja redigida por nós – não por eles!

Entre tantas ações que poderíamos eleger a fim de tornar uma administração mais eficaz, listo algumas preliminares:

Economia de recursos e utilização das verbas indenizatórias que só sejam utilizadas a serviço do governo, com fins e interesses públicos (desenhando: não utilizar cartões corporativos para pagamento de despesas pessoais);

Utilização de materiais que não permeiem o meio ambiente e que sejam compatíveis com os de uso no mercado corporativo (desenhando: não comprar laptops que custem R$ 20 mil);

Correta destinação de resíduos e economia de energia em órgãos públicos (desenhando: se uma empresa é multada pela destinação incorreta de resíduos, o que diremos do descaso com os aterros sanitários espalhados pelo Brasil?);

Promessas de campanha não cumpridas receberão multa, suspensão ou até perda de direitos políticos (precisa desenhar?);

Não apadrinhamento, extinção do nepotismo e tratamento de funcionários públicos como celetistas – inclusive na formação dos profissionais (não dá para um país progredir com uma máquina administrativa ineficiente, despreparada e, pior, com “funcionários-cabide”);

Seleção, triagem, acompanhamento e fiscalização do dinheiro investido em programas sociais (aqui dá uma história em quadrinhos: “Gato Billy e seu Bolsa Família”).

Resta-nos levantar essa bandeira e cobrar de nossos representantes uma posição mais ética e que, no mínimo, não nos envergonhem construindo, com recursos que deveriam ir à educação e à saúde, castelos com 36 suítes enquanto os 50 milhões de miseráveis brasileiros não têm um pão para matar a fome.

Em tempo: algumas horas depois de escrever esse editorial recebi a notícia de que o novo presidente do Senado, José Sarney, ordenou a economia de R$ 51 milhões em verbas indenizatórias da Casa que representa, incluindo o corte de 300 ramais de telefone que, pasmem, consomem R$ 1,2 milhão (desenhem vocês: quantas crianças estariam em sala de aula com essa verba?). De qualquer forma...brilhante decisão, Sr. Sarney.

Agora que o samba acabou, vamos trabalhar!

Marcio Zeppelini
marcio@revistafilantropia.com.br

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
20.245
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.592
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
31 Dez
2020
IberCultura Viva 2020
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
Paranapanema - Doações e Patrocínios
Prazo
Aceleradora P&G Social
Prazo
20 Set
2020
Edital de Patrocínio - Banco da Amazônia
Prazo
2 Out
2020
Arte em Toda Parte
Prazo
20 Set
2020
Prêmio 99 de Jornalismo

PARCEIROS VER TODOS